Escola da Vida Contabil
Processos

Obrigações Acessórias x Valor do Serviço Contábil

escola-da-vida-contabil-obrigacoes-acessorias-x-valor-do-servico-contabil

Você provavelmente já deve ter se sentido sobrecarregado com a quantidade de obrigações ou até mesmo ter sentido que tinha muito trabalho, mas pouco resultado, que levava pouco impacto para o seu cliente. 

E ainda que você tivesse a percepção de que estava dando tudo de si, fazendo tudo o que lhe era devido, TENHO CERTEZA de que já ouviu reclamações acerca do preço do seu honorário.

Antes de tratarmos deste tópico, quero recordar algumas diferenças básicas conceituais para que possamos desenvolver bem o assunto.

Obrigações Principais x Obrigações  Acessórias

As obrigações tributárias principais representam o pagamento do tributo em si. As taxas, os impostos, contribuições, etc. Esse é o momento mais doloroso para seu cliente, é onde o dinheiro sai do bolso dele… 

Já as obrigações tributárias acessórias documentam o pagamento que foi realizado por cada tributo. Onde você consegue enxergar essa movimentação de impostos.

Entendendo essa diferença, vamos partir para o centro desse artigo. As “amadas” OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS!!

Afinal, o que são as obrigações acessórias?

São declarações mensais, trimestrais ou anuais que contém dados sobre sua empresa. Elas têm o objetivo de mostrar ao governo informações sobre a receita efetiva, os impostos apurados e a também a parte trabalhista (quando são declaradas informações sobre a movimentação de seus empregados na folha de pagamento e os encargos gerados sobre cada salário).

Existem também obrigações ligadas à atividade econômica de certas empresas (Um exemplo seriam empresas de setor médico ou imobiliário).

As obrigações, também podem variar de acordo com o regime tributário de cada empresa. Vamos listar aqui apenas 3 das causadores de sua insônia! Até porque ficar trazendo conceitos não é o intuito desse artigo. Ai vão algumas importantes:

DEFIS:

A Declaração de Informações Socioeconômicas e Fiscais (DEFIS) é entregue anualmente até o dia 31 de março do ano subsequente. Serve para comunicar e comprovar ao Governo Federal, através do órgão fiscal,que as empresas enquadradas no Simples Nacional recolheram, em conformidade com a lei, seus tributos no ano anterior. Fornece também informações a respeito da quantidade de despesas dessa empresa, a distribuição societária dos sócios, quantidade de empregados no período e etc.

DIRF (o famoso Leão): 

A DIRF é a Declaração de Imposto de Renda Retido na Fonte. Ela é enviada anualmente para as empresas que fazem retenção do imposto (IRRF) e opcionalmente as contribuições retidas de seus fornecedores.

GPS:

A Guia da Previdência Social – GPS – é uma obrigação tributária principal devida por todas as pessoas jurídicas e equiparadas, que possuam funcionários.Ela também é usada para o recolhimento devido por empresas sobre remunerações a trabalhadores  e profissionais liberais, para a contribuição de sócios ou administradores a título de pró-labore, e para importâncias retidas de terceiros, nos termos estabelecidos pela Lei Orgânica da Previdência Social.

POXA, muito trabalho, não é?! Imagina ter que tomar conhecimento de cada uma dessas inúmeras obrigações?

Só de listar essas três já ficamos cansados, não é?! E você, em algum momento, já pensou o quanto seu cliente quer saber desse seu esforço?

Sejamos sinceros, tirando casos de empresários na sua família, nenhum outro cliente se preocupa com cada gota de suor que escorre de sua testa. Ele só quer saber o que entra e o que sai! Chato, não? Já pensou se pudéssemos reverter isso, essa “relação abusiva” em que estamos presos. Sim, isso é totalmente possível!

Toda profissão tem suas dores, sua parte que exige um pouco mais de nossa paciência. Até mesmo um artista precisa da teoria e passa por “processos burocráticos”. Como seria um artista da riqueza, o contador, sem sua parte chata também?

Não podemos nos vitimizar! Temos que otimizar a cada segundo essa parte boa, e fazer dela nossa aliada para o sucesso. Estar presente na empresa de seu cliente é aquilo que vai mostrar seu valor. A análise de resultados e a interpretação de saídas financeiras. Você NÃO é um funcionário do governo! Você é um cientista da riqueza! E essa virada de chave está na Contabilidade Consultiva!

Informe seu cliente, mostre o verdadeiro motivo pelo qual você estudou todos esses anos! ESTEJA PRESENTE em cada tomada de decisão!

Fonte: Nucont | www.blog.nucont.com
Postado por: Escola da Vida Contábil | www.escoladavidacontabil.com.br

Leia Também

Saiba Como Está Seu Escritório Contábil

EVC

Plataformas SaaS são essenciais para empresas de contabilidade

EVC

Descubra o que é a Nota Fiscal Avulsa e como emiti-la

EVC